Como cordeiros… (Lc 10,1-9)

Jesus não enfeita as coisas. Ao enviar seus discípulos em missão, ele deixa claro que as coisas serão difíceis. Sua preocupação maior é com a atitude de seus enviados: vocês não são lobos, não são predadores, não vão viver da lã de seu rebanho. Ao contrário, vocês é que serão a presa, os cordeiros entre lobos famintos. Desarmados, inermes, sacrificados…

Urs von Balthasar comenta: “No grande discurso evangélico da missão, Jesus envia seus discípulos ‘como cordeiros no meio de lobos’. Imagem aterrorizante quando concretamente representada. Humanamente considerada, tal missão poderia parecer o ato de um irresponsável.

Jesus pode ousar algo semelhante unicamente porque o próprio Pai o enviou como “o Cordeiro” entre os homens. Estes se comportam com ele como lobos, a fim de que seja alcançada a vitória do “Cordeiro imolado”, que o torna digno e capaz de quebrar todos os selos da história do mundo (cf. Ap 5).

Jesus veio entre os homens completamente desarmado; sua única arma era sua missão que, enquanto durasse, o protegeria do assalto dos inimigos, mesmo que, em certas circunstâncias, ele precisasse escapar deles, fugindo.

Desde o início, Jesus desarma aqueles – ‘operários pouco numerosos’ – que devem anunciar sua mensagem: eles devem primeiro desejar a paz, pouco importa que ela seja, ou não, aceita. Se ela não for aceita, não deve ser imposta por alguma violência, mas ir para outra parte.

Porém, tanto aos que a acolhem, quanto aos que a recusam, seus mensageiros devem anunciar que o Reino de Deus está próximo, a fim de que todos, considerada a brevidade do tempo, se preparem para sua Vinda. Eles não devem rejubilar-se com o sucesso, nem se perturbar com o fracasso. O sucesso não está incluído na missão, ele se encontra unicamente no Senhor das missões, que por sua cruz arremessou Satã fora do céu.

Somente o ‘Cordeiro de Deus’ foi vencedor, o ‘Leão da tribo de Judá’ – é a ele que se cantam no céu os grandes hinos de louvor (cf. Ap 5,5.9ss). Unicamente nele, e não neles mesmos, que os enviados têm ‘pleno poder sobre todo o poder do Inimigo’.

Esta certeza deve bastar como consolação aos enviados.”
E nós, os enviados de hoje, deixemos de lado todo sonho de grandeza e de poder, de honras e retribuições humanas.

Nada de ilusões infantis…

Orai sem cessar: “Na tua mão, Senhor, está o meu destino!” (Sl 31,16)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.