Ceifarão com alegria… (Sl 126 [125])

A alegria é uma colheita. A seu tempo, é claro. Nos trabalhos do campo, não se começa pela colheita. Antes, trabalha-se a terra: retirar as pedras, arrancar os tocos de velhas árvores, arar, adubar, semear. Daí em diante, reina a esperança. Não dependem de nós o sol e a chuva, que podem vir ou não vir…

Durante todo esse tempo, ninguém riu. Era tempo de lágrimas e suor. A ilusão de nosso tempo, marcado por extrema ânsia hedonista, é a expectativa de colher o que não foi plantado. Claro, na próxima estação, fracasso e desilusão.

Santo Agostinho reflete: “Semeemos nesta vida, que é repleta de lágrimas. O que semearemos? Boas obras. As obras de misericórdia são nossas sementes. Destas sementes fala o Apóstolo: ‘Não desanimemos na prática do bem, pois, se não desfalecermos, a seu tempo colheremos. Por conseguinte, enquanto temos tempo, pratiquemos o bem para com todos, mas sobretudo com os irmãos na fé’. (Gl 6,8-10)”

O homem urbano, longe da terra e das sementes, vai perdendo a percepção dos vínculos entre as lágrimas e o riso, ou melhor, entre o sacrifício da semeadura e o ofertório da colheita. Com isso, já não consegue celebrar, dar graças, ser agradecido. As crianças chegam a pensar que o frango já nasce na embalagem de plástico…

Prossegue o Bispo de Hipona: “Ao partirem, iam chorando, lançando suas sementes. Por que choravam? Por se acharem entre infelizes e eram infelizes. Seria melhor, irmãos, se não existissem infelizes do que precisardes praticar a misericórdia. […] No entanto, enquanto existam os que necessitam de misericórdia, não desanimemos nesta tribulação de espalhar sementes. Apesar de semearmos com lágrimas, colheremos com alegria”.

Penso de modo especial nos educadores, sejam eles os próprios pais, os professores, os evangelizadores. Sei que a realidade brasileira torna bem áspero o seu trabalho. No entanto, é deles que depende a colheita de amanhã. As lágrimas de seu esforço fecundarão o solo de nossa sociedade. E os frutos serão de alegria…

Que alegria é maior que participar da formatura dos filhos? Ver que os filhos educam os netos na fé que receberam dos pais? Perceber a competência que os alunos adquiriram através de seus estudos? Ouvir de um jovem evangelizado sua decisão de consagrar-se a Jesus Cristo?

São grandes alegrias. Alegrias sem preço. Mas custam lágrimas. E quem se recusa a chorar, jamais conhecerá a verdadeira alegria…

Orai sem cessar: “O Senhor livrou meus olhos das lágrimas…” (Sl 116,8)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.