Amai vossos inimigos! (Mt 5,43-48)

Como brota a inimizade na terra de nosso coração? Uma palavra ofensiva… O som ligado alto demais na casa ao lado… A briga do filho com o filho do vizinho… A pedra na vidraça… O arranhão no carro zero… O cãozinho envenenado… O sucesso escolar do colega… A alegria do outro com a derrota de meu time… A religião diferente… A invasão de meu país… Seja qual for o motivo – não importa o tamanho! -, decido cortar relações, maquinar a vingança, dar o troco.

Aí vem Jesus e ensina àqueles que pretendem segui-lo: “Amai vossos inimigos! Fazei o bem aos que vos odeiam! Orai pelos que vos maltratam e perseguem!” Deve ser por isso que os cristãos vão escasseando…

Silvano do Monte Athos [1866-1938] comenta: “Aquele que ama seus inimigos conhecerá sem demora o Senhor através do Espírito Santo. Ao contrário, quem não os ama, eu nem quero escrever a respeito deles. Mas eu o lamento, pois ele atormenta a si mesmo; faz sofrer aos outros e não conhecerá o Senhor”.

Sem dúvida, é o tipo de lição que revolve as vísceras de um pagão. No mínimo, alega que isto vai além da natureza humana. E tem razão: não é natural; é sobrenatural…

Silvano prossegue: “Eu vos suplico: façam uma experiência! Se alguém vos ofende ou vos despreza, ou vos toma o que vos pertence, ou persegue a Igreja, rezai ao Senhor dizendo: ‘Senhor, nós somos todos tuas criaturas; tem piedade de teus servidores e volta-os ao arrependimento!’ Então, levarás imperceptivelmente a graça em tua alma.

No começo, força teu coração a amar teus inimigos; então, o Senhor, vendo tua boa intenção, ajudar-te-á em tudo, e a própria experiência te ensinará”.

Não nos faltam exemplos! João Paulo II visitou no presídio o turco Ali Agca, que o ferira bala, e deu-lhe seu perdão. Maria Goretti, apunhalada várias vezes por Alessandro Serenelli, que queria violentá-la, perdoou-o antes de morrer.

Na canonização da jovem santa, estava presente Serenelli, que cumprira longa pena na prisão. Ele declarou: “Foi o perdão de Maria que me salvou!”

E do alto do Calvário, Jesus mostrava o caminho: “Pai, perdoai-lhes, porque não sabem o que fazem!”

Orai sem cessar: “Jesus, manso e humilde de coração, fazei o meu coração semelhante ao teu!”

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.