Queridos internautas,

Estamos celebrando na Igreja católica um tempo litúrgico chamado advento. A palavra advento vem do latim, ”Adventus’ e significa “chegar, aproximar, ou ainda vinda.” Na antiguidade, era usada para indicar alguns acontecimentos importantes. Para os pagãos, que se reuniam uma vez por ano para prestar culto a sua divindade, a palavra significava “vinda”do seu deus. Na perspectiva da realeza, a palavra tinha uma conotação de “visita” a uma determinada cidade, ou o dia da coroação do soberano.

Os cristãos, servindo-se destas fontes aplicaram a palavra advento, à “VINDA” do Deus Salvador, que se manifestou ao mundo em Cristo. Aplicou mais especificamente a palavra Advento a este período de quatro semanas, que antecede a festa do natal. Portanto, para os cristãos, o tempo do advento é um tempo de espera do Senhor que vai chegar. É o tempo que insere o fiel neste espírito natalino, que prepara o coração de cada pessoa para recepcionar o filho de Deus.

Neste sentido, o advento nos introduz nesta dimensão histórica da salvação de Deus com o seu povo. É a realização da profecia de Isaías, o “Emanuel, o Deus conosco”Is. 7,14 e MT 1,20-25, o Deus que vem para habitar no meio do seu povo. Este advento do filho de Deus tem um caráter missionário, que vai se tornando visível na Igreja através do anúncio do Reino de Deus.

A espiritualidade do advento nos impulsiona a viver esta comunhão com o Filho de Deus que faz história com o povo, a resgatar alguns valores importantes para a vivência cristã; como por exemplo: a alegria, a esperança, a vigilância, a simplicidade e a conversão.

A palavra de Deus que nos acompanha neste período, nos interpela no sentido de uma profunda revisão de vida, nos questiona a respeito da vivência destes valores. Neste espírito de revisão de vida, convido a você meu irmão e minha irmã, a fazer parte dessa peregrinação rumo ao Natal do Senhor.

Que este tempo chamado advento, nos ajude nesta busca de uma verdadeira comunhão com filho de Deus, que deseja nascer em cada coração, não somente no Natal, mas todos os dias de nossas vidas.

Pe. Edvaldo, MSC