A todas as nações… (Mt 28,16-20)

No cenário de sua Ascensão, prestes a regressar ao Pai, Jesus Cristo “amarra” a missão da Igreja à vida trinitária: é “em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” que a Igreja assumirá sua ação missionária, sua vida sacramental e seu ensinamento. E como Deus não é apenas o Deus de Israel, mas o Deus de todos, é para “todas as nações” que tal missão se orienta.

O primeiro passo da missão da Igreja consiste em pregar o Evangelho do Reino. Em notável e imprevista ampliação do horizonte missionário, este anúncio se dirige indistintamente a todas as nações que povoam a Terra. Bem no coração da Igreja, como se confirmará na luminosa manhã de Pentecostes, será demolido em definitivo o muro de separação entre judeus e pagãos. Doravante, o cioso título de filhos de Abraão estende-se a todos aqueles que possuem a fé. A promessa de salvação realizada em Jesus Cristo dirige-se agora, sem qualquer distinção, a todo aquele que crê. O desejo de Deus é que todos os homens sejam salvos.

Como observa o biblista Hébert Roux, “à pregação do Evangelho junta-se o sinal batismal que assinala a incorporação ao Corpo de Cristo. Pelo batismo, todas as nações são integradas ao benefício da graça do Deus vivo, Pai, Filho e Espírito Santo. A presença desta fórmula trinitária no final do Evangelho manifesta claramente a intenção de Mateus de situar todo o testemunho que ele empresta ao Evangelho de Jesus Cristo no quadro da pregação da Igreja Apostólica”.

Na assembleia dos fiéis, a palavra de Jesus Cristo, inspirada pelo Espírito Santo, impelirá cada fiel a dizer “Abbá”, chamando a Deus de Pai. Assim, não é apenas Jesus, o Filho, que estará “conosco todos os dias, até a consumação dos séculos”, mas toda a Trindade. O mesmo Deus da Criação e da Redenção é aquele que dota a Igreja para a missão e inspira seus passos na História dos homens, até o grande dia da vinda do Senhor.

Foi esta certeza que moveu os apóstolos, sustentou os mártires, animou os missionários de cada geração. Nossas fraquezas e limitações humanas são amplamente superadas com a ajuda da Graça divina. A mesma convicção irá permitir que a Igreja se mantenha viva também em nosso tempo, apesar de nossa fragilidade e da violência das tempestades.
Orai sem cessar: “Feliz o povo que Ele escolheu por sua herança!” (Sl 33,12)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança