A pérola de grande valor… (Mt 13,44-46)

Apenas três versículos. Duas mínimas parábolas. Uma lição essencial.

Não nos cansemos de admirar a densidade do ensinamento do Mestre Jesus, sua sabedoria ao condensar em duas imagens um ensinamento de valor eterno.

Dou a palavra a Hébert Roux, que comenta esta passagem:

“O que Jesus quer trazer à luz é o valor inestimável que representa a posse do Reino. O tesouro escondido, descoberto pelo homem, permanece como uma realidade oculta, apesar de descoberta. Desde então, a existência daquele que fez essa descoberta fica transformada. Ele possui tal alegria e certeza, que não irá recuar diante de nenhum sacrifício.

Assim sendo, o Reino aparece também como uma realidade atual. Aquele que vende tudo o que tem para adquirir o campo ou a pérola, sabe muito bem que não está trocando a presa por sua sombra. E ele sabe disso com uma certeza que o deixa transportado de alegria.

Aqueles que o veem agir assim, podem até tomá-lo por louco, pois aos olhos do mundo é uma loucura renunciar a tudo, renunciar ao que se tem, ao que se vê, ao que se possui, por aquilo que não se vê. Ele, porém, o homem que descobriu o tesouro ou a pérola, sabe ter agido com sabedoria, aquela que é dada pela fé, e é capaz de ver ‘as coisas que não são como se existissem’ (Rm 4,17), porque ele discerne a realização delas na promessa de Deus.

‘Onde está o teu tesouro, aí está o teu coração’, declara o Sermão da Montanha (Mt 6,19-21). A alegria é a marca da fé, alegria sobrenatural, felicidade imprevista e imprevisível daqueles a quem o Reino dos céus é dado na fé. Alegria de Jesus Cristo que ele deposita pessoalmente naqueles que escutam e guardam sua palavra, ‘para que sua alegria seja perfeita’ (Jo 15,11).”

Assim, estamos diante de duas pequenas parábolas que associam o Reino e a alegria. Exatamente a alegria que o mundo busca de modo insaciável, disposto a pagar caro por ela. A alegria que em vão se procura nas festas e nos shows, nos campeonatos e nas medalhas olímpicas, na droga e no prazer… Uma alegria que não consiste em possuir, mas em ser possuído.

E ela se esconde – a alegria tão procurada – naquele encontro inesperado, na súbita iluminação dos dois discípulos de Emaús diante do pão partido. Uma alegria que é grátis, puro dom, uma graça que só Jesus Cristo nos pode dar…

Orai sem cessar: “Devolve-me, Senhor, a alegria de ser salvo!” (Sl 51,14)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.