A casa sobre a rocha… (Mt 7,21-29)

Ouvir e praticar: uma receita de solidez. Quem se recusa a ouvir a Palavra de Deus, escolhe sua própria ruína. Mas quem ouve a Palavra e não a põe em prática, terá idêntico destino.

Quando decidiram construir a usina nuclear de Angra dos Reis, RJ, escolheu-se o local que os indígenas chamavam Itaorna. E os técnicos (sempre eles!) não levaram em conta que, etimologicamente, esse nome significava “pedra podre”. Quando a edificação subiu, o terreno começou a ceder, exigindo um custo muito elevado na injeção de concreto para sustentar os alicerces.

Jesus fala de duas casas: uma construída sobre a areia, outra sobre a rocha firme. Com os ventos e as chuvas da estação, a primeira desmoronou, enquanto a segunda ficava de pé. Com essas imagens, o Mestre quer mostrar que nossa vida não terá solidez sem os fundamentos de sua Palavra.

Hoje, as famílias sofrem pesado ataque do demônio, que se vale da televisão para injetar nas artérias familiares as toxinas do consumismo, do hedonismo (busca do prazer sem freios), da mentira, da violência, do egoísmo e – por que não falar? – da futilidade. Especialmente nas novelas, todos os valores familiares são objeto de zombaria e de desprezo. Valores como fidelidade, virgindade, dedicação ao trabalho, sacrifício pelos outros, etc., são sistematicamente contestados.

Ao mesmo tempo, estimula-se abertamente o homossexualismo, a esperteza dos ladrões de casaca, a rebeldia dos filhos e o direito ilimitado de seguir as próprias paixões. A coisa é tão clara e explícita, tão demoníaca, que deveríamos perguntar por que motivo os pais ainda ligam a TV para seus próprios filhos…

É claro que a “palavra” do paganismo semeada pelos meios de comunicação está ocupando o lugar da Palavra de Deus em tantas famílias. Os responsáveis edificam sobre areia movediça. A catástrofe é questão de tempo. Quando o Edifício Palace 2 ruiu, no Rio, o responsável foi devidamente crucificado. Mas os pais que expõem seus filhos a esse cruel bombardeio de paganismo cometem um crime muito mais grave, comprometendo a salvação eterna daqueles que Deus lhes confiou.

Até quando ficarão inconscientes?

Orai sem cessar: “Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os construtores.” (Sl 127,1a)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.