4/09/2015 – Seu povo e seu rebanho… (Sl 100 [99])

Quando o Concílio Vaticano II (1963-1965) definiu a Igreja como “povo de Deus” (Lumen Gentium, 9), não fazia mais que reafirmar o desígnio de Deus de ter um povo “seu”. Desde as primeiras páginas do Antigo Testamento, o Senhor manifestou sua vontade: “Gravarei a minha Lei nas suas entranhas e a escreverei nos seus corações, e serei o seu Deus e eles serão o meu povo”. (Jr 31,33)

À primeira vista, é a submissão à Lei que define a pertença ao povo do Deus que a escreveu nas pedras do Sinai com seu dedo de fogo (cf. Ex 31,18). No entanto, muito mais que um Senhor, Deus é o Esposo, em um casamento-Aliança onde o povo é a Esposa escolhida. Com isso, o vínculo da Lei é superado pelo vínculo do amor.

São comoventes as expressões do profeta Oseias, reveladoras da nova relação entre o Criador e a criatura, não mais como indivíduos, mas como um povo esponsal. “Pois, agora, eu é que vou seduzi-la, levando-a para o deserto e falando-lhe ao coração. Eu me casarei contigo para sempre, casamos conforme a justiça e o direito, com amor e carinho.” (Os 2,16.21)

Uma aliança de amor não pode ser rompida. Uma curiosa passagem da Escritura parece mostrar Moisés como advogado de defesa desse matrimônio entre o Senhor e seu povo. Como o líder tardasse na montanha, o povo fabricou um bezerro de ouro como ídolo para seu culto. Deus “reage” propondo a destruição de Israel, mas garantindo a Moisés numerosa descendência.

A frase atribuída a Yahweh foi esta: “Vai, desce, porque se corrompeu o TEU povo que tiraste do Egito”. Moisés retruca: “Por que, Senhor, se inflama a vossa ira contra o VOSSO povo, que tirastes do Egito com o vosso poder e a força de vossa mão?” (Ex 32,7.11) O povo não pertencia a Moisés, mas exclusivamente a Deus.

Deus continua sofrendo com as infidelidades de sua esposa, que somos nós. Nas crises e infortúnios, recorremos ao Esposo. Passada a crise, voltamos aos nossos bezerros dourados e prestamos culto a ídolos mudos, mas ásperos feitores de escravos.

Apesar disso, ao longo da história, surgiram homens e mulheres admiráveis, de coração apaixonado pelo Esposo, que consagraram suas vidas para que Deus fosse mais conhecido e mais amado. Na esteira de João Batista e dos apóstolos, dos mártires e dos confessores, dos eremitas e dos grandes missionários, um pequeno “resto de Israel” reafirma sua fidelidade à Aliança celebrada para sempre.
Seria este o nosso caso?

Orai sem cessar: “Feliz o povo que caminha na luz de vossa Face!” (Sl 89,15)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.